Ano letivo 2021 – oportunidades e desafios para a Comunidade Escolar

Por Ana Paula Yajima – Diretora Pedagógica do Colégio Santa Úrsula

A Pandemia da COVID-19 colocou a Educação sob rupturas e transformações paradigmáticas que já se faziam necessárias há muito tempo. No entanto, por mais que falássemos dessa necessidade, tínhamos a possibilidade de fazê-la de forma sustentada, gradativa e planejada.

O ano de 2020 exigiu uma acelerada digitalização da Educação. Em princípio, por demanda contingencial e emergencial e, na medida em que os meses se passavam, Educadores, Escolas e Pais fizeram esforços hercúleos para manter crianças e jovens engajados com a própria aprendizagem. Com a virada para 2021 muitas expectativas se desenham com os retornos presenciais, ainda que gradativos e escalonados.

Enquanto sociedade, ainda estamos sentindo e compreendendo os impactos psicológicos causados pela Pandemia. Pouco se sabe ainda sobre quais serão, em longo prazo, as consequências do distanciamento social na vida das novas gerações. Nós, do Colégio Santa Úrsula, temos buscado lidar com o tema da forma mais cuidadosa e transparente possível, esforçando-nos para criar confiança no interior de nossa comunidade escolar.

Acolhimento, cuidado e adaptação: estas são palavras que darão a tônica do ano letivo de 2021. Entendemos que é essencial assegurar de que é possível ajudar as crianças e os jovens a enfrentar os desafios apresentados pela pandemia e pelo distanciamento social. É preciso iniciar o ano letivo dedicando tempo e oferecendo espaço para que os próprios estudantes compartilhem suas experiências e reflitam coletivamente sobre o momento em que estamos, respeitando as características de cada faixa etária. Isso fará com que eles se sintam acolhidos e tomem conhecimento sobre as vivências de seus colegas, criando empatia e senso de pertencimento. Além dos momentos de acolhimento em grupo, dentro dos grupos escalonados por semana e com todos os cuidados sanitários, a escola tem aberto cada vez mais canais de comunicação direta, via o App Agenda Edu, Whatsapp, Telefone e Redes Sociais, possibilitando que os estudantes, Famílias e colaboradores se sintam à vontade para dividir com o colégio suas dúvidas, dificuldades e inseguranças.

Sobre as metodologias e o trabalho pedagógico voltado a atender, com eficiência, eficácia e efetividade, alunos que acompanham as aulas presencial e remotamente, de forma escalonada e por grupos, ainda estamos diante de muitos desafios. Tanto educadores como estudantes e família, ainda são fortemente enviesados pelo modelo pedagógico tradicional, dificultando a incorporação das tecnologias digitais e de modelos híbridos no processo de construção do conhecimento. Por isso, ao falarmos de experiências de aprendizagem em detrimento de aulas, resolução de problemas em detrimento de exercícios e de mediadores/mentores ao nos referirmos aos Professores ainda nos deparamos com barreiras. Mais do que transformação digital, temos o desafio de mudar mindsets.

O sentimento das Famílias quanto à presença, cada vez maior, do online e dos recursos digitais ainda é de muita desconfiança. No entanto, há muitas camadas a serem analisadas quando se trata em ampliar a digitalização dentro do processo de aprendizagem de crianças e jovens.  Elas perpassam questões estruturais, socioeconômicas e, obviamente, pedagógicas. O espaço escolar não é destinado apenas para transmissão de conteúdo. Sabemos! Embora o online potencialize muitas competências, o desenvolvimento de crianças e jovens se dá pelas interações e construções sociais. Sem isto não promoveremos uma geração com competência analítica – fundamental na Era dos Dados.

Por isso, o conhecimento e o estudo de diferentes campos do conhecimento se fazem muito necessários rumo à identificação dos papéis oferecidos aos sujeitos do processo de ensino-aprendizagem nestes tempos de profundas disrupções no modo de fazer educação e de promover a aprendizagem. O Colégio Santa Úrsula tem fortalecido a formação continuada dos Professores, atuando em parceria com grandes especialistas em metodologias ativas do país. Tem buscado também o incremento da sua estrutura tecnológica e, a cada semana, promovendo melhorias e ajustes que possibilitem melhores entregas aos nossos estudantes.

Aos poucos o restabelecimento de rotinas de estudo diante do modelo híbrido de ensino-aprendizagem, isto é, da combinação de atividades presenciais com as remotas (síncronas ou assíncronas) vai sendo consolidado. Com a Pandemia, a rotina dos estudantes sofreu fortes alterações, por um conjunto de motivos distintos: fechamento temporário das escolas, acompanhamento remoto das aulas, disponibilidade de seus responsáveis, organizações familiares e por aí vai… Ninguém estava acostumado a viver a escola inteiramente dentro de casa.

Neste momento em que o modelo híbrido continuará sendo necessário, é fundamental que a colégio ajude as crianças e os jovens a estruturar novas rotinas de estudo, condizentes com as propostas didáticas. A depender da idade dos estudantes, esse planejamento também terá de ser acompanhado por adultos, em maior ou menor grau. E essa parceria da Família e Escola é essencial nesta estruturação. Todos cientes dos desafios, mas amplamente conscientes da importância para o desenvolvimento desta geração que temos o privilégio de ajudar a crescer. Eis a oportunidade de vivenciarmos novas formas de aprender. Vamos juntos?!