Ana Cristina Borges De Souza

Por Ana Biana – Supervisora Pedagógica do Pré-Escolar Santa Úrsula

Como Entender a Importância dos Limites na Infância

               A infância é o período em que alicerçamos nossas bases cognitivas, emocionais, motoras, sociais e éticas. Quando ainda não sabemos utilizar a linguagem oral, nós fazemos uso principalmente da emoção para se comunicar com o mundo, através do choro, do sorriso, das birras e das demonstrações de afeto. Mas, ao desenvolver a linguagem oral, ampliamos, ainda mais, nossa forma de se expressar, e comunicar o que sentimos e desejamos e, aí começamos a nos relacionar com o mundo de uma forma nova. É aí também, que surgem os primeiros desafios para pais e educadores, entender o quão é importante para a formação das crianças desde que tenha idade de se estabelecer claramente os limites que possibilitam um desenvolvimento sadio, que promove o conforto de sentir-se seguro, protegido, amado e cuidado.

           Há um movimento muito forte que vê na construção de limites e combinados um ato de negar a autonomia das crianças, de causar dores e frustrações. O que diante da vasta experiência com a Educação Infantil, julgo completamente equivocado. As crianças buscam nos seus responsáveis, seja no âmbito familiar ou escolar, ações e vivências onde elas possam claramente compreender esse universo social no qual ela está inserida. E é na observação de nossas atitudes, na escuta de nossas orientações, na percepção de nossas opiniões e condutas que elas vão ampliando suas próprias concepções do mundo e das regras que o regem, construindo principalmente na convivência com seus pares seu próprio conceito de limites.

Mas, deixemos agora de teorizar e passemos a pensar no que isso representa de fato no dia a dia do processo de formação de uma criança. Quando ela busca por referência, quase sempre, essa busca vem no sentido contrário do que realmente ela precisa e deseja no momento, isso é um traço característico das contradições da infância, eles relutam horas quando estão caindo de sono, ficam verdadeiros tiranos quando estão com fome, e mesmo assim, se negam a dormir e a aceitarem suas deliciosas refeições. Portanto, digo que a criança nem sempre ou quase sempre vai aceitar limites e regras sem relutância, mesmo sendo o que desejam e precisem para sentirem-se seguros, protegidos e amados e, continuarem a desbravar o mundo através da promoção de novas experiências. Então, sugiro que deixemos esse medo de conduzir, de orientar e principalmente de negar algo as crianças quando isso não trouxer vivências enriquecedoras ou for gerar prejuízos ao desenvolvimento saudável das mesmas.

… é característica da criança que seu desejo seja ilimitado, com fantasias de tudo querer e de tudo poder. Só com o desenvolvimento, com a ajuda do adulto e tendo limites, é que a criança pode ir aprendendo a restringir certas vontades, a trocar uma coisa por outra, a aceitar que existe uma hora para cada atividade e que, mesmo que algo seja prazeroso, em certo momento pode precisar ser deixado de lado e substituído por outra coisa; mas, é fundamental que os adultos, também, possam aceitar os limites e as frustrações da vida, considerando os aspectos da realidade, ou seja, possa compreender que frustrar o filho (dar limites) não é ser “mau”, e sim, dar-lhe proteção e cuidado. Se isto não está sendo possível, as “regras” de como educar e castigar acabam falhando (ZAGURY, 2003).

             Assumir esse papel, nem sempre é fácil para pais e educadores, mas é imprescindível que tenhamos clareza no tipo de pessoas que queremos formar e, só assim, o faremos de forma legítima, consciente, assertiva e principalmente na dosagem ideal de autoridade e afeto.

Referência Bibliográfica

ZAGURY, T. Limites sem trauma. Ed. Rio de Janeiro: Record, 2003. (Construindo Cidadãos).